segunda-feira, 8 de outubro de 2018

Apenas um Trekker contra o fascismo! #EleNão #TrekkersContraOFascismo

Acho que meu posicionamento sempre foi muito claro a respeito de questões políticas.

Além de fã de Star Trek, sou um homem de esquerda, que deve parcela de sua revolta contra a injustiça, a desigualdade e a intolerância com o que aprendeu assistindo Jornada nas Estrelas.

Por isso, me causa espanto pessoas que ficaram indignadas com a postura enfática do grupo Apenas um Trekker contra o avanço no país, representado pela candidatura de Jair Bolsonaro. Mas mais espanto ainda me causa que muitas delas apoiam o fascismo. Não entenderam nada da série que dizem amar? Francamente... é decepcionante.

Para ilustrar bem isso e tentar esclarecer os motivos de que votar nesse cara é um atentado contra a democracia e contra os grupos oprimidos da sociedade, é que elaborei uma campanha perguntando "Você votaria nele?", exibindo uma série de vilões que apareceram ao longo da série.

Confira os cartazes abaixo. Divulgue entre seus amigos, sobretudo entre aqueles que são trekkers.

Vida longa e próspera à democracia, à igualdade e à liberdade!

#EleNão
#TrekkersContraOFascismo












segunda-feira, 1 de outubro de 2018

Divulgado pôster da segunda temporada de Star Trek: Discovery

Foi divulgado hoje um pôster para a segunda temporada de Discovery, que irá ao ar em janeiro de 2019.

Na imagem, no centro do emblema da Frota, vemos um símbolo semelhante a uma ave.

Será um sinal de que os romulanos, que tem uma ave como símbolo, estariam chegando em Discovery?




domingo, 30 de setembro de 2018

Star Trek Voyager: uma série com personagens chatos?



Com todo respeito aos que a tem como sua preferida ou entre as melhores séries de Star Trek, considero Voyager uma série fraca (em que pese a importância de uma mulher capitã e muitos episódios ótimos).

Em minha visão, o que faz a série não ser tão boa quanto as outras são os seus personagens, que avalio desinteressantes e pouco carismáticos, no geral.

Por exemplo, comparem-se os personagens de Voyager aos de Deep Space Nine e a diferença de qualidade saltará aos olhos (nem vou mencionar Neelix!).

À exceção, cito Tom Paris, um personagem com potencial, porém sub-aproveitado; e o melhor de todos (um dos mais fascinantes de toda a franquia, aliás) o Doutor, com suas múltiplas e profundas camadas, que testam as infinitas possibilidades da inteligência artificial, tema caro à ficção científica.

Qual sua opinião?

Vida longa e próspera!

quinta-feira, 27 de setembro de 2018

Confira o primeiro trailer de Star Trek: Short Treks



A CBS All Access acaba de publicar o trailer do primeiro episódio de Star Trek: Short Treks

O episódio "Runaway", mostrará o encontro da cadete Tilly com uma forma de vida alienígena em busca de ajuda.

"Runaway" irá ao ar em 04/10, exclusivamente nos EUA para assinantes do CBS All Access.



Confira o trailer no link abaixo:

https://twitter.com/CBSAllAccess/status/1045372504091459584


segunda-feira, 24 de setembro de 2018

#EleNao - Trekkers contra o fascismo



Não existe nada mais oposto do que um trekker e um fascista. 

Por isso, o blog e o grupo Apenas um Trekker se posicionam de forma enfática contra a ascensão do fascismo no Brasil, representada pela candidatura à Presidência de Jair Bolsonaro. 

Nossos valores significam o contrário de tudo defendido pelo candidato. Defendemos a liberdade, a igualdade, a diversidade a paz e a cooperação entre todos, independentemente de cor, gênero, orientação sexual e nacionalidade. 

Estes são os princípios basilares da Federação dos Planetas Unidos e são eles que sempre defenderemos.

Assim, conclamamos a todos os trekkers comprometidos com a democracia e a liberdade a gritarem bem alto, neste momento crucial de nossa história: #EleNao!

Compartilhe com todos, use como capa do facebook, use a hashtag, divulgue entre amigos, familiares e fãs de Star Trek. Não importa o candidato democrata em que você irá votar. A luta é contra o fascismo e exige união de todos os progressistas. Juntos somos fortes e venceremos o obscurantismo e a violência.

Temos uma versão em inglês que deve ser encaminhada aos atores da franquia, costumeiramente comprometidos com causas humanitárias. Contamos com a ajuda de todos nesse momento crucial de nossa história. 



Dúvidas e sugestões, entre em contato. 

Vida longa e próspera. 

#EleNao
#TrekkersContraEle

P.S.: Fascistas serão sumariamente expulsos do grupo. Intolerância aos intolerantes.

Ajude enviando o seguinte texto pelo twitter aos atores de Star Trek, anexando a imagem com os dizeres em inglês:

"Please support Brazilian trekkers with #EleNao (#NotHim) hashtag against fascism in Brazil. Jair Bolsonaro, presidential candidate, is a far-right politician known for being against women's rights, black people and LGBT population. Thank you."

Como informação adicional você enviar também o link abaixo, com matéria que explica o movimento #EleNao #NotHim

"More info:

Jair Bolsonaro: Why Brazilian women are saying #NotHim

https://www.bbc.com/news/world-latin-america-45579635

#EleNao #StarTrek"

Rosario Dawson quer viver uma klingon na nova série sobre Jean-Luc Picard



Anunciada a nova série de Star Trek que traz de volta o personagem Jean-Luc Picard (Patrick Stewart), o interesse em participar do elenco desperta entre os atores trekkers de carteirinha.

Quem se manifestou nesse sentido foi a atriz Rosario Dawson (Claire Temple nas séries da Marvel na Netflix). 

Dawson que é fã de Jornada desde a infância, revelou sua vontade de integrar o elenco da série mostrará Picard 20 anos após o filme Star Trek: Nemesis.

"Eu cresci amando Star Trek e ainda estou esperando pelo meu holodeck. Minha série favorita é a Next Generation por causa de Jean-Luc Picard. Se eles precisarem de uma Klingon para a nova série, bem, você já viu minha testa?", conta Dawson.

A atriz ainda revela o motivo principal de sua paixão por Star Trek:

 “Eu amo Star Trek porque sempre me maravilhei com a ideia de um mundo sem capitalismo”, disse ela.

Esperamos que Dawson, que é uma grande atriz, seja de fato escalada para a nova série. É sempre bom que atores que conhecem e amam a franquia façam parte do elenco. 

domingo, 23 de setembro de 2018

Reveladas data de estreia e sinopses de Star Trek: Short Treks



Anote na agenda! Foi divulgado hoje o calendário de exibição dos quatro curtas centrados em personagens de Star Trek: Discovery. O primeiro deles, que mostra uma história com a alferes Tilly, será o primeiro a ser exibido no próximo dia 4 de outubro. Cada um dos quatro episódios terá em torno de 10 a 15 minutos e são chamados de Star Trek: Short Treks. A exibição será mensal. Confira abaixo os nomes dos episódios, sinopses e datas de exibição. 

"Runaway" (4 de outubro)

A bordo da USS Discovery, Tilly (Mary Wiseman_ encontra um visitante inesperado precisando de ajuda. No entanto, esse par pode ter mais em como do que se vê.

Escrito por: Jenny Lumet and Alex Kurtzman. Dirigido por: Maja Vrvilo.

"Calypso" (8 de novembro)

Após acordar em uma enfermaria desconhecida, Craft (Aldis Hodge) se encontra a bordo de uma nave deserta e seu único companheiro e esperança de sobrevivências é uma forma de inteligência artificial.

Roteiro por: Michael Chabon. História de: Sean Cochran and Michael Chabon. Dirigido por: Olatunde Osunsanmi.

"The Brightest Star" (6 de dezembro)

Antes de se tornar o primeiro kelpien a juntar-se à Frota Estelar, Saru (Doug Jones) viveu uma vida simples em seu planeta natal, Kaminar, com seu pai e sua irmã. O jovem Saru, cheio de ingenuidade e um nível de curiosidade incomum entre seu povo, anseia por descobrir o que está além da aldeia, levando-o a um caminho inesperado. 

Escrito por: Bo Yeon Kim & Erika Lippoldt. Dirigido por: Douglas Aarniokoski.

"The Escape Artist" (3 de janeiro)

Harry Mudd (Rainn Wilson), de volta aos seus velhos truques, encontra-se em situação precária a bordo de uma nave hostil, bem a tempo de experimentar seu novo golpe. 

Escrito por: Michael McMahan. Dirigido por: Rainn Wilson.

Algumas fontes informam que os episódios não serão disponibilizados na Netflix, porém não há ainda informação oficial que confirme isto. 

sexta-feira, 21 de setembro de 2018

Candidatos fazem a saudação vulcana em busca de votos



Na disputa eleitoral, os candidatos se esforçam para agradar os mais diversos públicos e assim conseguir o maior número de votos. 

Na eleição presidencial deste ano os candidatos estão de olho nos votos dos trekkers. 

Henrique Meirelles, candidato à presidência pelo MDB, foi o primeiro a usar a saudação de Spock em uma peça de propaganda divulgada em 21 de agosto no twitter. Já Eduardo Jorge (PV), candidato a vice-presidente na chapa de Marina Silva (Rede), fez o famoso gesto em vídeo de campanha divulgado a partir de 20 de setembro. 

Vida longa e próspera à democracia!

Confira aqui:

Henrique Meirelles: https://twitter.com/meirelles/status/1032022203766919169

Eduardo Jorge: https://twitter.com/MarinaSilva/status/1042806339913900034

sábado, 15 de setembro de 2018

Aproximações entre o movimento Escola sem Partido e a Escola com Religião da vedek Winn

kai winn escola sem partido

Nestes tempos onde o obscurantismo ganha cada vez mais força, seja em suas teorias terraplanistas, seja na crítica ao evolucionismo e defesa do criacionismo, ou ainda: na contestação dos direitos das minorias sociais, o trabalho dos professores vem sendo sistematicamente atacado por setores conservadores que parecem querer desacreditar o papel libertador e promotor do pensamento crítico da educação. São movimentos de caráter retrógrado que, em última análise, advogam não ser papel da escola se contrapor ao senso comum e que "confundem a educação escolar com aquela fornecida pelos pais e, com isso, o espaço público e privado, o princípio da laicidade do Estado, o pluralismo de ideias e de concepções pedagógicas" (Gabatz, 2018).

Um dos movimentos que mais se destaca neste sentido é conhecido como Escola Sem Partido, criado em 2004 pelo advogado paulista Miguel Nagib. Através de ações articuladas por políticos de viés conservador - quando não reacionários - o movimento tem proposto em diversas casas legislativas país afora, a partir de suas interpretações deturpadas da Constituição Federal, projetos de lei com a intenção de intimidar professores, em um claro atentado à liberdade de cátedra, conquista fundamental das sociedades democráticas. O projeto se trata de uma tentativa de amordaçar os profissionais da educação, ao sugerir que estes possuem "partido", enterrando a possibilidade de construção do conhecimento, que se dá através do diálogo entre alunos e professores. Sob pretexto de combater uma suposta "doutrinação ideológica" por parte dos professores, o movimento revela sua própria ideologia, conservadora e à serviço dos grupos dominantes.

Assim, o Escola sem Partido pretende colocar os professores em constante vigilância por meio de expedientes grotescos, tais como a proposta de se afixar um cartaz em cada sala de aula do país com "mandamentos" a serem cumpridos pelos educadores, estimulando a delação (como os jovens nazistas incentivados a denunciar judeus e comunistas ao Partido Nazista) por parte dos alunos que considerem estar estas regras sendo desrespeitadas durante as aulas. Desta forma, determinados temas estariam vedados e os professores se tornariam os únicos trabalhadores a não possuírem liberdade de expressão. O absurdo se torna evidente: a sala de aula, lugar privilegiado de discussão, torna-se apenas um local no qual um instrutor despeja conteúdos sobre os alunos para que estes os memorizem e os reproduzam nas avaliações, sem necessidade de pensar. É a típica visão de que a educação, sobretudo a dos pobres, deve servir exclusivamente para a formação de mão de obra, desqualificando a formação cidadã dos indivíduos como coisa de "comunista".

Outra conquista essencial das sociedades democráticas de direito é a laicidade do ensino. Portanto, religião e educação não se misturam. Na escola, se houver, o ensino religioso deve abarcar todas as manifestações espirituais, sem favorecer esta ou aquela crença. Afinal, a escola, embora a subjetividade também esteja presente, é lugar de conhecimento racional e científico, deixando a fé para as igrejas e famílias.

Um movimento conservador e reacionário como o Escola sem Partido hipocritamente defende que a educação deve ser neutra, mas por outro lado, afirma que as crenças religiosas das famílias dos alunos (evidentemente a fé cristã) não podem ser examinadas e problematizadas pelos educadores. Nessa defesa, identificam-se ao menos dois graves erros: em primeiro lugar a escola não ataca nenhuma fé, ela discute ideias e analisa fatos, sejam eles históricos, sociais, biológicos etc., algo que com frequência colide com doutrinas religiosas. Em segundo lugar, se a escola for um espaço dedicado a simplesmente ratificar o senso comum, não há necessidade de sua existência, já que as crianças e jovens teriam todo aprendizado que precisam na família. O que fica subentendido na proposta, além de sua demanda por "neutralidade", é que o professor não pode ter "partido", mas que seria conveniente ter religião.

É sabido, por qualquer pessoa com o mínimo de instrução, que a neutralidade não existe. Todos temos nossas próprias histórias, construídas a partir de nossas experiências e conhecimentos acumulados ao longo da vida, que nos tornam aquilo que somos, seja em termos políticos, morais, religiosos, ideológicos etc. Um ideal que é possível perseguir seria o da imparcialidade. Por exemplo: um professor, mesmo que politicamente à esquerda ou à direita, pode explicar para seus alunos as principais características da esquerda e da direita sem oferecer nenhum tipo de juízo de valor. No entanto, para os defensores do Escola sem Partido isto seria impossível, ao considerarem que a maior parte dos professores atua como militantes esquerdistas. Doutrinadores que se aproveitam da "ingenuidade" de seus alunos para conquistá-los para suas causas.

Nada mais errado. Tratar os jovens alunos como tábulas rasas, que não contestam ou não avaliam criticamente aquilo que seus professores ensinam em aula, é de uma insensata desonestidade. Cada vez mais os alunos, ao acessarem todo tipo de informação (que saliente-se, não é necessariamente conhecimento), se colocam em posição de contrapor aquilo que aprendem na escola ao que conhecem na internet, nos livros, no cinema, na televisão. A ideia do Escola Sem Partido soa ridícula: os alunos seriam criaturas passivas, vitimadas por terríveis vilões travestidos de educadores.

Este é o pensamento de Winn Adami, a kai de Bajor. Kai é um título semelhante ao de Papa, ou seja, Winn Adami é a líder religiosa do espiritualizado povo bajoriano. A estrutura hierárquica de religião de Bajor é semelhante à estrutura da Igreja católica, onde os vedeks ocupam o posto do que seriam os cardeais. Antes de se tornar kai, Winn era uma vedek fundamentalista, ardilosa e obcecada pelo poder.

Na primeira temporada de Deep Space Nine, em seu 20º e último episódio "In the Hands of Prophets" (Nas Mãos dos Profetas), a vedek Winn chega à estação com o objetivo de interferir nos trabalhos de sua escola, conduzida por Keiko O'Brien. Evidentemente, Keiko em sua atuação como professora, procura reger suas aulas de maneira laica, priorizando o conhecimento científico em vez das crenças religiosas, não somente de Bajor, mas de quaisquer outras civilizações. Este fato incomoda sobremaneira a vedek, que, além de invadir, de forma desrespeitosa, uma das aulas de Keiko, passa a mobilizar os pais dos alunos contra a educação laica, que considera uma profanação da doutrina religiosa bajoriana. Para a vedek, ao ensinar que o wormhole se trata de uma estrutura artificial, criada por alienígenas - contatados pelo comandante Sisko, na ocasião de sua descoberta -, Keiko estaria incorrendo em blasfêmia, desrespeitando a crença de que o "buraco de minhoca" é o Templo Celestial, morada dos Profetas, entidades objeto de veneração pelos bajorianos.

Keiko, exercitando sua autonomia docente, bate de frente com Winn Adami, não aceitando a interferência da líder religiosa no currículo escolar. Afinal, como discutimos acima, não é papel do professor, crítico por natureza, reproduzir explicações da realidade que não possuam embasamentos empíricos ou teóricos de pesquisa. Caso muito diferente das religiões, que estruturam seu conhecimento, prioritariamente, sobre outra importante dimensão humana que é a fé.

Portanto, ao interferir na liberdade de ensinar da professora Keiko, a vedek Winn aproxima-se dos defensores do Escola sem Partido, que julgam saber mais que os professores, que dedicaram suas vidas ao estudo das disciplinas que ministram. Da mesma forma, podemos perceber a aproximação das duas visões a partir de suas características autoritárias, que à revelia dos educadores, definem aquilo que é ou não é correto ensinar. Por um lado, um movimento que afirma que a escola possui partido, por outro, a defesa de que a escola deve ter religião.

Nem todo religioso ou toda religião são obscurantistas. Assim como nem todos os conservadores são reacionários. Contudo, com frequência, os aspectos conservadores e religiosos situam-se na base de movimentos que (embora neguem) possuem objetivos políticos e orientações ideológicas bem definidas, tais como o Escola sem Partido e o fundamentalismo da vedek Winn. Em síntese, ambos buscam anular o pensamento crítico, manter sob controle parcelas significativas da sociedade e inviabilizar qualquer tipo de transformação do mundo.

In the Hands of Prophets (Episódio 20– Temporada 1)

Roteiro: Robert Hewitt Wolfe
Direção: David Livingston
Exibido pela primeira vez em 20/06/1993

*Este texto é uma versão resumida do artigo "O movimento Escola sem Partido e a"Escola com Religião: aproximações a partir da série Star Trek: Deep Space Nine", publicado na Revista Licencia& Acturas, v. 6, n. 1, janeiro/junho 2018. Disponível em: https://www.academia.edu/37307356/O_movimento_Escola_sem_Partido_e_a_Escola_com_Religi%C3%A3o_aproxima%C3%A7%C3%B5es_a_partir_da_s%C3%A9rie_Star_Trek_Deep_Space_Nine