sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Klingons: antes e depois - O caso mais bizarro da história do Império


Klingons: antes (TOS) e depois (TNG)

Quem acompanhava a série original de Star Trek (TOS) na década de 60 ficou muito surpreso, em 1979,  ao assistir a cena inicial de Star Trek: The Motion Picture. Os klingons - grandes vilões de TOS - estavam completamente diferentes. Se na série original eles não apresentavam nenhuma diferença visível em relação aos seres humanos, agora, no filme, possuíam características muito específicas que os apresentavam como uma espécie diferente, sobretudo pelas protuberantes formações ósseas em suas cabeças. 

Pois esta mudança de fisionomia dos klingons é um dos casos mais bizarros da história do Império (na ficção) e - certamente - uma das histórias mais interessantes em solução de continuidade para os roteiristas e diretores (na vida real). 

Na ficção a história toda começa no meio do século 22 quando cientistas klingons (uma raridade, logo não surpreende a besteira que fizeram!) decidem aprimorar a raça, através da modificação genética de um vírus de gripe chamado Levodian flu, muito comum nos planetas da Federação. O plano era usar o DNA deste vírus para potencializar a força e a inteligência dos klingons, a partir de amostras recolhidas de humanos aprimorados pelo Dr. Arik Soong, avô de Noonian Soong, criador de Data.

No entanto as coisas não deram muito certo e o chamado “klingon augment virus” saiu do controle, provocando milhões de mortes no Império, além de devastadores efeitos colaterais. Dentre eles o desenvolvimento de características humanas, como o medo diante de situações de morte iminente e, principalmente, o desaparecimento das formações ósseas cranianas. Podemos imaginar o golpe na identidade dos orgulhosos klingons...

No episódio Trials and tribble-actions (5x06), de Deep Space Nine, há uma brincadeira com esta situação. Na história, Sisko e seus oficiais visitam no passado a Enterprise de Kirk, durante os eventos mostrados no episódio Trouble with Tribbles (TOS - 15x02). Quando encontram alguns klingons, sem as características habituais, Dr. Bashir, Odo e Chief O’Brien se mostram muito surpresos, questionando Worf, que, visivelmente constrangido apenas responde: “Não discutimos este assunto com estrangeiros”. Bashir, no entanto, lança a hipótese: teria sido mutação genética viral?

Worf: "We do not discuss it with outsiders"

A resposta virá nos episódios da 4ª temporada de Enterprise Afliction (4x15) e Divergence (4x16), nos quais são mostrados os eventos referentes aos problemas dos klingons com o “augment virus”. 

O Império Klingon, com colaboração da Seção 31, sequestra o Dr. Phlox, para que este desenvolva uma cura para a doença. O doutor é bem sucedido, no entanto os efeitos colaterais permanecerão ainda por muitas gerações, sendo os klingons que 100 anos depois vemos em TOS, portanto no século 23, os descendentes daqueles klingons afetados pela doença que os deixava com características humanas.

Enfim, esta foi uma ótima e criativa solução, tanto na questão prática de continuidade - já que na série original não houve a concepção mais elaborada das características do klingons - quanto na narrativa, criando desta forma uma incrível história que só veio enriquecer o já fascinante Império Klingon.

Dr. Phlox e o "klingon augment virus"

9 comentários:

  1. Excelente... Espero ver mais sobre o império Klingon já que no PBEM eu interpretava o segundo Klingon na Federação.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado. Em breve teremos mais textos sobre os klingons. Qapla'

      Excluir
  2. Essa foi uma excelente solução cronológica para a franquia, embora se saiba que, em TOS, a aparência humana foi decidida por ser mais fácil e mais barato do que qualquer outra característica, já que a Desilu (produtora da época) não tinha dinheiro para usar em efeitos especiais mais caros.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente. Sabemos como eram "pobres" muitos dos cenários e maquiagens. Mas os klingons se mostraram vilões com muito potencial, merecendo investimento financeiro e criativo. No entanto, sempre ficaria essa "falha" em relação à aparência, que por fim foi muito bem resolvida nos eventos mostrados na série Enterprise.

      Excluir
  3. Eu prefiro a soloção dos quadrinhos, os klingons menores e mais fracos aceitaram fazer plasticas para ficar mais humanos e não revelar a frota humana como eles são de verdade, alem de servirem como espiões e assassinos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você pode me passar a referência desta HQ?

      Excluir
  4. E ainda há quem deteste a série ENTERPRISE.
    E esse não foi o único nó desamarrado pela série.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De fato, não chego a detestar Enterprise, mas é uma série que não gosto. Mas tens razão, esse foi um dos pontos altos da série.

      Excluir
  5. Hahahaha! Se acharam que houve mudanças, o que dirão agora em 2017 em Star Trek Discovery?

    ResponderExcluir